Os anjos do senhor acampam-se ao redor dos que o temem e os livra de todo mal.



segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

ATIVIDADES POR NÍVEL DE ESCRITA



Nível Alfabético

Nível alfabético: ao atingir este ponto, a criança já domina o sistema de escrita, uma vez que já compreendeu que para cada som existe uma sílaba, ou conjunto de letras correspondentes. Ao reconstruir o sistema lingüístico, experimentando seu funcionamento na prática, é possível escrever tudo o que a criança deseja, sendo necessários apenas ajustes relacionados à ortografia, à separação de palavras, às regras de pontuação, entre outras.


Nível conceitual – alfabético
·        Reconhecimento pela criança dos sons das letras.
·        A criança consegue estabelecer uma vinculação mais coerente entre leitura e escrita.
·        A criança concentra-se na sílaba para escrever.
·        Surge a adequação do escrito ao sonoro.
·        As unidades lingüísticas (palavras, letras, sílabas) são tratadas como categorias estáveis (antes não tinham para a criança nenhuma relação entre si).
·        A criança escreve do jeito que fala (presença da oralidade na escrita).
·        A criança compreende que cada um dos caracteres da escrita (letras) corresponde a valores sonoros menores que a sílaba.
·        Leitura sem imagem e com imagem.
·        Surgem os problemas relativos à ortografia.


Objetivos no nível alfabético:
·        Proporcionar aos alunos lidar com vários tipos de fontes, aprender a ler e interpretar diferentes tipos de linguagens e diferentes portadores de textos: jornais, revistas, entrevistas, coleta de dados, objetos, gravuras, fotografias e outros.
·        Propor atividades que levem o aluno a pensar e a desenvolver o raciocínio, o questionamento, a curiosidade e a autocrítica e a estabelecer relações.
·        Proporcionar aos alunos atos de leitura e escrita em situações reais.
·        Desenvolver trabalhos em grupo para gerar conhecimento, cooperação, socialização, conflitos, discussão de hipóteses e desenvolvimento das potencialidades dos alunos.
·        Levar os alunos a compreender a escrita como representação da fala, a perceber a constituição silábica da palavra e a constituição alfabética da sílaba, compreendendo assim a segmentação da escrita em relação à fala.
·        Dar oportunidade aos alunos de vivenciar diferentes possibilidades de grafar as letras e de realização de manifestações orais e escritas para a expressão de suas experiências e vivências.
·        Estimular a leitura de pequenos textos para buscar informações, decodificar e interpretar.
·        Trabalhar textos poéticos e lúdicos interessantes, que levem os alunos ao prazer de ler.
·        Estimular o interesse dos alunos para o uso normativo da língua (separação de palavras, uso de letras maiúsculas, ortografia e pontuação), que garante a “comunicabilidade” da mensagem escrita (histórias, cartas, avisos, murais, quadro de avisos, álbuns de adivinhações, anedotas, músicas, etc).


Sugestões de atividades para o trabalho com textos:


·        Produção de texto a partir do desenho do aluno.
·        Sugerir a escrita de textos a partir de outros textos já conhecidos pelos alunos.
·        Produção de textos coletivos sobre acontecimentos ou interesses dos alunos naquele momento.
·        Atividades a partir de um texto:
- reconhecimento de palavras, frases ou letras no texto;
- análise de palavras do texto quanto ao número de sílabas e de letras, quanto à letra inicial ou final etc.;
- ditado de palavras e frases relativas ao texto trabalhado;
- remontagem do texto com fichas de frases ou palavras;
- produção de um desenho para ilustrar o texto;
- completar lacunas de palavras;
- escolher palavras do texto e elaborar pequenas frases.
  




Nível Silábico-alfabético



Nível silábico-alfabético: são inúmeras as possibilidades de trabalhar a linguagem oral e escrita no nível silábico-alfabético, pois, nesse nível, as crianças apresentam um desenvolvimento acelerado, já iniciando a leitura e a escrita de forma independente.



Nível conceitual – silábico-alfabético

·        Conflito entre a hipótese silábica e a exigência de quantidade mínima de caracteres.
·        A criança descobre que a sílaba não pode ser considerada como unidade, mas que ela é composta de elementos menores – as letras. Enfrenta novos problemas:
      - no eixo quantitativo, percebe que uma letra apenas não pode ser considerada sílaba porque existem sílabas com mais de uma letra. Assim, sem nenhum critério, vai aumentando o número de letras por sílabas.
- No eixo quantitativo, a criança percebe que a identidade do som não garante a identidade das letras, nem a identidade das letras, a do som. Existem letras com a mesma grafia e vários sons. Descobre que existem sons iguais com grafias diferentes e que, na maioria das vezes, não se fala o que se escreve e não se escreve o que se fala.
·        A criança procura acrescentar letras à escrita da fase anterior (silábica).
·        Grafar algumas sílabas completas e outras incompletas (com uma só letra por sílaba).Usa as hipóteses dos níveis silábico e silábico-alfabético ao mesmo tempo.
·        A ausência de letras em sua escrita não pode ser considerada pelo professor como omissão ou retrocesso.
·        As crianças esbarram na leitura e escrita de palavras que são iniciadas por vogais. Como saída, elas podem fazer a inversão das letras tanto na leitura como na escrita.







Objetivos no nível silábico-alfabético:



·        Propiciar aos alunos um trabalho eficiente, rico e prazeroso na aquisição da escrita e leitura, através de atividades lúdicas e jogos.
·        Valorizar as escritas espontâneas das crianças, permitindo-lhes escrever de acordo com suas hipóteses, valorizando o processo e o resultado das produções.
·        Propiciar atividades que levem as crianças a perceber a vinculação fala-escrita e como ela é representada na linguagem escrita.




Sugestões de atividades:


·        Caça-palavras;
·        Cruzadinhas;
·        Jogos de memória, bingo, dominós diversos;
·        Análise e síntese de palavras significativas;
·        Escritas espontâneas, autoditado;
·        Classificação e seriação de palavras;
·        Jogos e atividades orais que permitam à criança brincar e recriar com a linguagem (rimas, acrósticos, entre outros);
·        Transcrição de receitas, brincadeiras, piadas;
·        Reestruturar frases de poesias, parlendas ou músicas que os alunos já sabem de cor;
·        Localizar palavras num texto, copiá-las separando suas sílabas.

 
Nível Silábico


Nível silábico: a criança encontra uma nova fórmula para entrar no mundo da escrita, descobrindo que pode escrever uma letra para cada sílaba da palavra e uma letra por palavra na frase.


Objetivos no nível silábico:


·        No trabalho com palavras:
-         enfatizar a análise da primeira letra no contexto da primeira sílaba;
-         provocar contrastes entre palavras memorizadas globalmente e a hipótese silábica;
-         propiciar a contagem do número de letras, desmembramento oral de sílabas e hipóteses de repartição de palavras escritas.

·        No trabalho com letras:
-         estimular o reconhecimento dos sons das letras, através da análise da primeira sílaba das palavras;
-         dar continuidade ao estudo das formas e da posição das letras em seus dois tipos – cursiva e maiúscula de imprensa.

·        No trabalho com textos:
-         priorizar, para leitura, textos cujo conteúdo já esteja memorizado de antemão;
-         estimular a pesquisa e a análise das palavras do texto, incluindo verbos e partículas pequenas, como artigos, preposições etc.




Nível conceitual:

·        as crianças não vislumbram que a escrita tem a ver com a pronúncia das partes de cada palavra.
·        Produzem riscos e/ou rabiscos típicos da escrita que tem como forma básica a letra de imprensa ou a cursiva, podendo então realizar rabiscos separados com linhas curvas ou retas ou rabiscos ondulados e emendados.
·        A leitura é global.
·        As crianças não separam números de letras, já que ambos os caracteres envolvem linhas retas ou curvas.
·        Acham que os nomes das pessoas e das coisas têm relação com o seu tamanho ou idade as pessoas, animais ou objetos grandes devem ter nomes grandes; os objetos ou pessoas pequenas, nomes pequenos. Presença marcante do realismo nominal.



Objetivos no nível pré-silábico:

·        Possibilitar que as crianças vivenciem, desde o início do seu processo de alfabetização, atividades que envolvam textos, palavras, letras significativas.
·        Promover atividades que visem fazer a vinculação do objeto ou figura com a palavra escrita.
·        Propiciar aos alunos vivenciarem situações que os levem à compreensão das diversas funções da escrita.
·        Propiciar atividades que possibilitem aos alunos fazer a distinção entre letras e numerais e entre texto e desenho.
·        Proporcionar atividades didáticas que promovam o desenvolvimento do raciocínio lógico dos alunos.
ATIVIDADES PARA O NÍVEL PRÉ-SILÁBICO

As atividades sugeridas abaixo irão pre­parar a criança para um melhor desempe­nho nas atividades escritas e darão suporte durante todo o processo de alfabetização.
·        Trabalho intenso com os nomes das cri­anças, destacando as letras iniciais - ativi­dades variadas com fichas, crachás e alfa­beto móvel.
·        Contato com farto e variado material escrito - revistas, jornais, cartazes, livros, jo­gos, rótulos, embalagens, textos do profes­sor e dos alunos, músicas, poesias, parlendas, entre outros.
·        Audição de leitura com e sem imagem - notícias, propagandas, histórias, cartas, bi­lhetes etc.
·        Hora de leitura - livros, revistas e jor­nais à escolha da criança.
·        Atividades de escrita espontânea - lis­tas, relatórios, auto-ditado.
·        Atividades para distinção de letras e numerais.
·        Manipulação intensa do alfabeto móvel.
·        Desenho livre, pintura, modelagem, re­corte, dobradura.
·        Caixa com palavras ou nomes significa­tivos - de cada aluno ou da classe.
·        Classificação de palavras ou nomes que se parecem - as que começam com a mesma le­tra, as que possuem o mesmo número de le­tras, palavras grandes e pequenas etc.
·        Memorização de como se escrevem al­gumas palavras (fonte de conflito).
·        Jogos diversos.
·        Bingo de letras, de iniciais de nomes, de nomes e outros.
·        Memória de letras, nomes, desenhos.
·        Dominós associando nomes e iniciais, desenhos, letras.
·        Baralho de nomes, figuras.
·        Quebra-cabeças variados com gravuras, nomes, letras.
·        Pescaria de nomes, letras iniciais ou de letras do alfabeto.
·        Jogos com cartões: parear cartões com nomes iguais, parear cartões com desenhos, parear cartões com letras.
·        Jogos com o alfabeto móvel: cobrir fichas ou crachás, formar o próprio nome e os dos colegas à vista do modelo, separar e agrupar letras iguais, classificar letras segundo número de aberturas e hastes, partes fechadas e hastes, curvas ou retas.
·        Álbuns: de rótulos e embalagens, de nomes e retratos ou auto-retrato, da história de vida da criança.
·        Jogos e brincadeiras orais: com rimas, adivinhações, telefone sem fio, hora de surpresa, recados orais, jornal falado.
·        Outras atividades e brincadeiras: leitura de poesias e quadrinhos, parlendas, músicas etc.
·        Planejamento da rotina do dia.
·        Avaliação dos trabalhos do dia.
·        Relatório oral de experiências.
·        Histórias mudas.
·        Produção de texto oral – coletivo.
·        Conversa informal.
·        Estudo e interpretação de gravuras;
·        Jogos de atenção.
·        Análise e síntese de palavras.
·        Interpretação oral de textos.
·        Reescrita com representação através de desenhos do texto trabalhado.
·        Reconto e reescrita de histórias.
·        Autoditado  e escritas espontâneas.















Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário